A importância de saber sobre zoonoses

Você sabe o que é zoonose?

Zoonoses são doenças infecciosas que podem ser transmitidas entre animais-animais e animais-pessoas.

Os patógenos podem ser: bactérias, vírus ou parasitas, que podem ser adquiridos por meio do contato direto ou através de alimentos, água ou meio ambiente.



Quer saber mais?



Então siga com a gente!



Disponibilizar alimentos, água, ou até mesmo objetos contaminados para um animal, pode elevar e muito as chances de uma infecção. E é aqui que o zootecnista entra, é ele o responsável por manter os animais e os humanos o mais longe possível desses contaminantes. É claro que ele não vai agir sozinho, o zootecnista trabalha em conjunto com os tutores/proprietários e com os veterinários nessa luta contra as zoonoses.


Veja como:


  • Vacinação: verifique quais as vacinas são exigidas e recomendadas para a espécie que você trabalha, e verifique as suas também;

  • Higiene: mantenha o local limpo, lave bebedouros e comedouros sempre que possível, não permita que fezes e urina se acumulem, e lave sempre as suas mãos;

  • Alimentação: a maior parte das patologias estão ligadas a uma baixa imunidade, então fique atento com a alimentação (sua e dos animais), pois um animal mal alimentado é um animal muito mais propício para adquirir doenças;

  • Observação: observe sempre o comportamento e as fezes do animal, elas podem dar indícios de que algo está errado;

  • Tenha sempre o contato de um zootecnista e um médico veterinário, são profissionais que sabem o que fazer, e quando fazer.

Algumas zoonoses

  • Raiva: é um vírus que pode ser mortal transmitido para as pessoas pela saliva de animais infectados (geralmente por mordida). Infelizmente no Brasil os cães e os gato são os principais transmissores. Sintomas: febre, dor de cabeça, salivação excessiva, espasmos musculares, paralisia e confusão mental. A vacina pode prevenir a infecção.

  • Leishmaniose Visceral: é uma doença muito grave causada pelo protozoário Leishmania chagasi, que é transmitido através da picada do inseto Lutzomyia longipalpis, popularmente conhecido como mosquito palha. Sintomas: febre, anemia, indisposição, palidez da pele e ou das mucosas, falta de apetite, perda de peso, e inchaço do abdômen devido ao aumento do fígado e do baço. A vacina Leish-Tec é a única aprovada no Brasil para a prevenção da Leishmaniose Visceral Canina.

  • Esporotricose: é uma infecção por fungo, causada pelo Sporothrix. Sintomas: ferimentos e úlceras na pele e nas mucosas. Não existe vacina, mas alguns estudos já estão sendo desenvolvidos, por isso é importante o uso de luvas e roupas de mangas longas em atividades que envolvam o manuseio de material proveniente do solo e plantas, também é indicado o uso de calçados em trabalhos rurais.

  • Febre maculosa: é uma doença possivelmente fatal causada pela picada de um carrapato infectado com bactérias da família Rickettsia. Sintomas: febre, dor de cabeça e dores musculares, também pode apresentar uma erupção característica. A febre maculosa responde bem ao tratamento imediato com antibióticos, mas não possui vacina.

  • Teníase/cisticercose: é transmitida pelo contato com fezes humanas infectadas com tênia e também por meio da ingestão de carne de porco contaminada por ovos de tênia. Sintomas: pode causar nódulos sob a pele, e quando se espalha para o cérebro ou para a medula espinhal, podem ocorrer dores de cabeça e convulsões.

  • Hidatidose: é uma doença parasitária causada por vermes cestódeos do gênero Echinococcus. Pode ser conhecida como doença da “bolha d'água” e “doença da paca”. Sintomas: dor abdominal, icterícia, hepatomegalia, perda de peso, febre e aumento da massa abdominal em função do estabelecimento e crescimento dos cistos hidáticos no fígado. A Argentina está em testagem da vacina nos ovinos.

  • Brucelose: é uma infecção bacteriana que afeta milhares de pessoas em todo o mundo. Sintomas: dores articulares e musculares, febre, perda de peso e fadiga, também pode ocorrer dor de barriga e tosse. Evitar os produtos lácteos não pasteurizados e tomar precauções quando se trabalha com animais ou em um laboratório pode ajudar a prevenir a doença, seu tratamento inclui antibióticos. As fêmeas bovinas devem ser vacinadas pelo menos uma vez a cada semestre.

  • Tuberculose: é uma doença infectocontagiosa e endêmica, provocada pelo Mycobacterium tuberculosis, tb. dito bacilo de Koch, podendo atingir quase todos os tecidos do corpo principalmente os pulmões, caracterizada pela formação de tubérculos caseosos. A vacina BCG protege contra a tuberculose, porém não possui vacina para os animais, sendo assim é recomendado afastar o animal contaminado dos demais.

  • Mormo: é uma zoonose infectocontagiosa causada pela bactéria Burkholderia mallei que acomete primeiro os equídeos (cavalos, burros e mulas) e pode ser transmitida a outros animais ser humano. Não existe vacina disponível contra a doença, e sua prevenção envolve a identificação e eutanásia do animal infectado.

Lembramos que as vacinas também podem ser aplicadas por zootecnistas, porém o tratamento é com auxilio veterinário, e pode leva-lo a prejuízos, já que muitas afetam o desempenho e produtividade dos animais, e algumas podem levar à morte.


Então, não espere alguma doença atingir seus animais ou você, siga a risca as prevenções e vacinações, e se mantenha alerta!


Tem duvidas sobre alguma doença ou prevenção? Entre em contato com a gente!


Gostou do blog? Acompanhe também nossas redes sociais!












0 visualização0 comentário